Resenhas, artigos e contos

Resenhas, artigos e contos

Naruto e Sasuke e amizade que (não) vemos


A amizade é um dos temas recorrentes nos mangás/animes de gênero shonen e é trabalhada de forma singular nessa mídia. São comuns, nessas histórias, situações que criem e sustentem laços de amizade entre personagens que ajudam um ao outro e até mesmo sacrificam a própria vida pelo bem de seus amigos. Essa valorização da amizade nos mangás é importante e normal para a sociedade japonesa, porém, em alguns casos, é vista como exagerada pelo Ocidente. Além disso, a temática se torna tão batida que alguns leitores enjoam do shonen ou até do próprio mangá (o que seria um erro, já que há muitos mangás, seinen, por exemplo, que tratam de outros assuntos pertinentes). Um dos casos de “amizade shonen” que o leitor daqui não engoliu foi entre os personagens Naruto e Sasuke, em Naruto, de Masashi Kishimoto. Portanto, a análise a seguir tem como objetivo perscrutar os motivos que levam à ausência de empatia desse leitor em relação à amizade entre os personagens. Vale-se ressaltar que o texto contém spoilers, e sua leitura demanda um mínimo conhecimento prévio da obra original.

Primeiro, faz-se necessário apresentar um fato histórico dento da série que é relevante e comum aos dois personagens. Uzumaki Naruto é um garoto órfão, rejeitado pelos moradores da vila da Folha por causa de um demônio — a raposa de nove caudas — que está selado em seu corpo e que fora responsável pela destruição parcial da vila anos atrás. Por causa disso, muitos o enxergam como a própria raposa demoníaca, preconceito que acabou influenciando as crianças e privando Naruto de uma infância preenchida por amigos. Uchiha Sasuke também é um garoto órfão, embora, diferente de Naruto, tenha convivido com os pais, pelo menos até o irmão mais velho, Itachi, assassiná-los junto com os demais membros do clã Uchiha. Por causa desse evento, Sasuke não pensa em mais nada além de buscar vingança contra o irmão. Temos, nesse breve recorte, um sentimento compartilhado pelos dois personagens: a solidão. E eles reconhecem esse sentimento um no outro, ainda na infância, mesmo sendo tão diferentes. Naruto é o menino excluído que faz mil e uma traquinagens para chamar atenção, enquanto Sasuke é o popular entre as garotas que fica na dele; mas por compartilharem de tal sentimento, entendiam um ao outro mais do que qualquer outra pessoa. Essa compreensão é muita clara quando, mais tarde, na formação do time 7, Sakura diz a Sasuke que o “Naruto tem sorte por não ter pais, pois assim ele não tem como levar bronca pelas besteiras que faz”, e Sasuke responde que a “solidão não se compara a levar uma simples bronca dos pais” (Naruto, volume 1).



A história do mangá prossegue mostrando a amizade e rivalidade entre esses personagens. O ponto de virada tem início quando Sasuke resolve desertar da vila em busca de poder para matar Itachi. No meio disso, Naruto aparece para deter o amigo e levá-lo de volta para a vila. No entanto, Sasuke rompe seu laço de amizade por definitivo, vence a batalha e vai embora. Depois, Naruto, que fizera uma promessa a Sakura de trazer o companheiro de time de volta à vila, mantém a promessa e entra num árduo treinamento para ser mais forte que o rival e, assim, resgatá-lo do ódio que domina o coração dele. É a partir desse ponto que os leitores passam a repudiar as ações de Naruto e a enxergar como exagerada e incoerente a amizade que este personagem sustenta com Sasuke.

Discorrendo individualmente sobre o jovem Uchiha, notamos que muitos leitores homens não gostam dele (ao contrário do Japão, onde ele é um dos personagens mais populares do mangá). Um motivo curioso (e risível) para essa não predileção seria o fato de ele não demonstrar atração sexual por mulheres, o que para muitos é suficiente para chamá-lo de gay. Palavras como “gay”, “veado”, “baitola” e outras são comumente usadas em nossa sociedade quando um homem aparenta não demonstrar tesão por mulheres (mesmo ele não sendo, de fato, gay). Por exemplo, se você está numa festa e não quer se relacionar com a garota que está dando mole na sua frente, seus amigos irão tirar sarro de você, dizendo coisas como “deixa de ser gay”, pois, ao que parece, existe algum tipo de mandamento masculino que exige que você tem que pegar a mulher que está te dando mole, ou, numa ocasião em que passa uma mulher gostosa por perto, você tem que olhar pra ela. No mangá, também há uma cena em que uma personagem está sentada quase no colo de Sasuke, que pede para ela se afastar, um ato que, para muitos, é considerado uma “viadagem”; muito diferente, por exemplo, de Jiraya, mestre de Naruto, que não faria nada nessa situação (afinal, ele é escritor de romances eróticos). Esse tipo de recepção da obra é um curioso apontamento sobre o senso machista que, infelizmente, é imperativo nos homens. Aqui não é válida a desculpa de que os leitores do mangá são, em sua maioria, jovens com os hormônios a flor da pele; isso não justifica chamar um personagem de gay simplesmente por ele não estar, naquelas circunstâncias, interessado em mulheres (e garotos nessa idade geralmente ainda estão no nível em que acham que super-heroínas são melhores quando vestem roupa curta).


Porém, o principal motivo para muitos não gostarem de Sasuke tem relação com suas atitudes durante a história (parte delas são falhas do autor do mangá na construção do personagem), principalmente após ele ter descoberto que o irmão de quem ele tanto procurava vingança, na verdade, amava-o e só assassinara seu clã para salvar a vila de um golpe de estado. Itachi havia se sacrificado pela vila da Folha, e o que Sasuke resolve fazer ao descobrir a verdade? Destruir essa mesma vila. Para o leitor, ele se torna um grande filho da **** sem salvação. Por isso as ações persistentes de Naruto em trazê-lo para o “lado bom da força” soarem tão incabíveis. Que tipo de amizade é essa que perdura mesmo quando o amigo se torna um dos criminosos mais perigosos do mundo? Se Sasuke é um personagem que dá raiva, o protagonista da série dá mais raiva ainda.

Naruto é o típico protagonista shonen cuja função é inspirar os leitores a partir do esforço e superação para alcançar seus objetivos de vida. O sonho de Naruto é se tornar Hokage, o ninja líder da vila, para que assim as pessoas que tanto o desprezaram possam reconhecer seu valor. Essa era a característica mais atraente do personagem e todos os leitores que acompanharam a história torceram pela realização desse sonho. Porém, no meio da história, a impressão que o protagonista passava era a de que salvar o Sasuke tinha tanta importância quanto conseguir ser Hokage, o que gerou revolta nos leitores, que já odiavam o Sasuke. Esses leitores podem até não concordar com as ações de Naruto em relação ao amigo, mas elas não são, de forma alguma, incoerentes.

O Hokage é alguém que zela pela vila e seus habitantes. Trata-se de um cargo político, e o ninja que o assume irá exercer tal função segundo seus ideais. Para Naruto, resgatar o Sasuke fazia parte de seu ideal como Hokage, já que o próprio fala: “Como posso me tornar um Hokage, se não consigo nem mesmo salvar um amigo?”. Além disso, no decorrer do mangá, Naruto sempre esteve “convertendo” os vilões e anti-heróis da história. Suas palavras carregadas de sentimentalismo sobre um ninja não conseguir reprimir seu sentimento para ser um simples instrumento de guerra fizeram Zabuza chorar. Sua determinação em querer mudar o próprio destino, negando o fato de que somente “pessoas escolhidas” poderiam se tornar Hokage, libertou Neji de sua “gaiola”. Sua vontade de proteger os amigos do insano Gaara e sua declaração de que entendia o que o outro sentia, por também compartilharem do mesmo tipo de solidão, mudou o coração do ninja da areia. Sua fé permitiu a Chiyo, uma velha ninja, acreditar que a nova geração pudesse consertar os erros que gente como ela causara no mundo. Mais uma vez, sua determinação levou-o a prometer a Nagato que quebraria o ciclo de ódio que move o mundo ninja de alguma forma. Ele chegou até mesmo a converter a raposa demônio que habitava o próprio corpo. Se Naruto esforçou-se para mudar o coração de gente que ele nem conhecia, por que ele desistiria da pessoa com quem ele formou seu primeiro laço na vida?



Uma das mensagens passadas por essa amizade é que há uma luz em todo coração humano, mesmo que este seja todo negro; e que, com um pouco de esforço de alguém, as trevas dentro desse coração podem se dispersar… Em Naruto, o mundo todo passa a desejar a morte de Sasuke, exceto Naruto, que ainda acredita no amigo. Vamos trazer isso para a nossa realidade, em que prevalece “bandido bom, é bandido morto”. Imagine alguém de sua família envolvido com a criminalidade (afinal, o laço de Naruto e Sasuke, pelas circunstâncias em que foi formado, é fraterno): você não nutriria um pouco de esperança de que essa pessoa siga um caminho melhor na vida? As ações de Naruto representam essa esperança, mesmo que de forma ilimitada.

Uma cena emblemática do mangá que mostra o quão profunda é a relação de amizade por parte de Naruto ocorre quando ninjas da vila da Nuvem vão para a Folha em busca de informações sobre o Sasuke, porque tinham a pretensão de matá-lo para vingar o mestre deles. Naruto pede a eles para não fazerem nada com Sasuke e que, se precisassem, descontassem todo o ódio que sentiam enchendo-o de pancada. Nessa parte da história, Naruto havia acabado de convencer Nagato de que encontraria a resposta para acabar com o ciclo de ódio no mundo, e esse ato faria parte de seu processo de amadurecimento para encontrá-la. Foi praticamente a representação de um amor messiânico, que, ironicamente, o leitor ocidental (majoritariamente cristão) não aceitou, ou será que Jesus também foi um babaca por ter sofrido aquele tanto na cruz por nós? É razoável nos perguntarmos se ocorreu falta de um esforço do leitor para se identificar com os sentimentos do protagonista, afinal, na ficção, o leitor só se importa com aquilo com que se identifica. Pessoas que sofrem mais com a solidão, por exemplo, tenderiam a compreender melhor os sentimentos de Naruto, justamente por saberem a importância vital de uma amizade, e o Sasuke foi a primeira pessoa para quem o Naruto olhou e pensou “eu não estou sozinho”.

Por conta dessa representação exagerada do valor da amizade, há quem ache a relação entre eles muito “gay”. As circunstâncias culturais causam essa impressão, já que a amizade entre eles é tão forte que extrapola o que o Ocidente entende por amizade. A história do mangá, contudo, oferece uma explicação plausível para a intensa relação entre os personagens. Naruto e Sasuke são, na verdade, reencarnações de dois irmãos, filhos do Sábio dos Seis Caminhos, que se desentenderam em sua respectiva época; desde então, o chakra desses dois irmãos foram transmigrando com o passar dos séculos, até se hospedarem em Sasuke e Naruto. Não à toa o próprio Naruto, que nunca teve uma família, considera Sasuke como um irmão. Outra razão óbvia é que Naruto é um mangá shonen, e não um shonen-ai (onde há relação homoafetiva entre garotos). E as cenas que envolvem algum teor homossexual (como a cena do beijo deles no início da história) são voltadas para a comédia, como se o autor brincasse com essa hipótese, o que seria normal em qualquer outra história que queira ser cômica.

Mas se o leitor ainda não conseguiu compreender o que move Naruto em prol dessa “amizade fraterna”, tenha em mente o background de ambos os personagens explicado no começo do texto e leia o seguinte diálogo:

Sasuke: Por que você chegou a esse ponto…? Só para me impedir?Naruto: Porque nós somos amigos, ué.Sasuke: Essa desculpa eu já ouvi. Mas o que isso… significa de fato?Naruto: É sério que você tá pedindo pra eu explicar um troço sem explicação? Bom, resumindo… te ver sofrer… de alguma forma… me fazia sofrer também.(Naruto, vol. 72)

Provavelmente alguém diria que esse lance de “o sofrimento do outro é também meu sofrimento” configuraria um “amor”, e não uma “amizade”. Mas esquece-se que a “amizade” é um tipo de amor, é o “amor ao próximo” que faz as pessoas tentarem compreender umas às outras, tal como era o sonho de muitos personagens no universo de Naruto.

Sasuke: Nós, que sempre brigávamos por qualquer besteirinha, agora somos capazes de compartilhar a mesma dor. E, depois de viajar e ver o mundo, entendi que isso não se aplica apenas a nós dois. É algo que acontece em todos os lugares, de todas as formas. Claro que ninguém é igual a você (Naruto). Nem mesmo conosco foi fácil, mas a discórdia sempre pode ter um fim.(Naruto, vol. 72)



3 comentários

Autor
avatar

Gostei muito de sua análise! Vc conseguiu derrubar os argumentos comuns das pessoas que veem como "estranha" a amizade entre Naruto e Sasuke. Na verdade, ambos personagem possuem um relacionamento que se resume a amar o próximo. É uma amizade altruísta. Por isso, admiro essa história!

Balas
Autor
avatar

Olá, Daniel. Obrigado pelo seu comentário.
Esse valor de amor ao próximo é justamente uma das mensagens da série. Ela tem um tom bastante utópico, e talvez por isso seja mal interpretada pelas pessoas.
Abraços.

Balas
Autor
avatar

Arrasou em sua análise. Eu sou uma das pessoas que detestavam o Sasuke e não entendia porque Naruto ia tão longe pelo amigo. Aos poucos fui vendo que Sasuke nao era o'demonio' que eu pintava. Eles tinham sim uma amizade. Tanto que Sasuke nem pensou ao se jogar na frente dos golpes de Haku e queria que Naruto se afastasse com Sakura, de Gaara. Personalidades diferentes que não impediram uma grande amizade. E, apesar de tudo, vemos que mesmo quando era rivais Sasuke respeitava Naruto. Enfim, hoje eu admiro ainda mais Naruto por lutar por Sasuke e passei até a gostar do Uchiha.

Balas