Resenhas, artigos e contos

Resenhas, artigos e contos

Jornada de Julho/2014



Há um ano foi postado o "último" texto de uma coluna  que tinha como finalidade expressar todos os sais e os açúcares, de maneira bem informal, de minha rotina de escrita. É fato que alguns projetos idealizados especialmente para este blog, como minha história Doppelgänger e meu "gameplay" de jogos 8-bits, não encontraram fôlego até o final. Penso, pelo menos, em reaproveitar o Doppelgänger em algum período futuro de minha carreira. Em relação a Jornada, foram apenas três postagens, procurando acrescentar algum tom descontraído e humorístico com imagens de memes. Era divertido, e não sei por que parei de escrevê-la. Pois bem, aqui estou para jogar uma Phoenix Down e reviver a série de postagens (perdoem-me pela metáfora gamer). Foram 12 meses de hiato, tempo de sobra para muitas(?) coisas relevantes, mas para que ninguém fique com a impressão de "too long, I didn't read", condensarei os acontecimentos e escreverei brevemente sobre eles.

Alguém se lembra de Nerikia? Se sim, obrigado por ter dedicado seu tempo a essa história, tenha certeza de que ajudou-me a acreditar no futuro dessa série. Ela é certamente o trabalho da minha vida ao qual me dediquei (e ainda me dedicarei) milhares de horas desde meus doze anos de idade (suspeito que tenha sido mais de 8000! - os fortes entenderão). No entanto, ela entrou em hiato logo após o quinto capítulo. Por quê? Duas razões. A primeira foi um problema de saúde que me deixou impossibilitado de dar atenção para meus escritos (e até mesmo à faculdade) por um mês, e isso quebrou totalmente o meu ritmo de leitura e escrita, de modo que não consegui retomar as ideias ao ter melhorado (afinal, tive que recuperar o tempo perdido na faculdade). E a segunda reforçou minha decisão de afastar o projeto: o fato de que o primeiro volume de Nerikia se tornaria um calhamaço inviável para a publicação e que demandaria um longo tempo para eventuais pesquisas. O ponto é que o tesão por aquela história havia diminuído drasticamente, e realmente precisava de um tempo para repensar no enredo. Foi difícil engavetar um projeto tão precioso, quase parte de mim, mas necessário. Pretendo, em breve, abrir essa gaveta e recomeçar a trabalhar nesse original incompleto (gaveta é só uma metáfora para pasta no disco rígido, hehe).

Então pensei: preciso de uma nova história.Comecei analisando as ideias e seus respectivos plots que dariam romances, noveletas ou contos. No entanto, eu precisava escolher aquela para qual eu me sentia tentado em desenvolvê-la. Após a escolha, comecei a escrevê-la. A história fora idealizada para ser uma noveleta ou romance único, porém, como era ambientada num mundo fantástico, a exemplo de Nerikia, foi alçada para uma série de cinco livros. Teve como base um conto chamado Crônicas de Dragonia - O Conto Arrematado, publicado aqui no blog, e passou a se chamar Dracocídio. Vocês devem estar me perguntando. Uma série de novo? E por que cinco? O motivo para fazê-la uma pentalogia foi precisamente a estrutura da história, devidamente separada em arcos com objetivos bem definidos. Aos que já leram os primeiros capítulos, decerto repararam, em cada capítulo, o desenvolvimento de duas histórias em tempos diferentes e que dialogam entre si. E essa maneira de conceber a narrativa tem um envolvimento significativo na decisão de tornar Dracocídio uma série. 


Dracocídio é publicado mensalmente em diversos sites de leitura (Nyah, Widbook, Wattpad, PDF etc), e, assim como Nerikia em sua época de publicação, tem a função de montar uma base sólida de leitores para que, futuramente, o projeto consiga ser lançado numa versão impressa, por alguma editora ou de forma independente. Como não quero estender o texto, os detalhes acerca da escrita dessa série serão esmiuçados ao longo dos próximos meses de minha Jornada.

Por último, gostaria de destacar duas adições significativas em meu currículo de escritor desde Julho de 2013: uma participação na antologia Vírus Z, com o conto "Resquícios de Humanidade", e outra na antologia Daemonicus, com o conto "Por isso eu gosto da cidade". Este último será lançado na Bienal de São Paulo este ano. Mais informações neste link (Publicações).




Abraços e até a próxima.