Resenhas, artigos e contos

Resenhas, artigos e contos

[Artigo] Pare de perder seu tempo e LEIA UM LIVRO!

Segundo dados da pesquisa da 3º edição Retratos da Leitura no Brasil, organizada pelo Instituto Pró-Livro, em 2011, a leitura encontra-se em 7º lugar nas atividades do brasileiro em seu tempo livre. Assistir televisão é o passatempo predileto do povo, seguido de escutar rádio ou música. Vale ressaltar que a pesquisa inclui leitura de jornais, revistas e textos da internet, ou seja, não é propriamente literatura. Vocês podem conferir a lista completa abaixo. Claro que isso é apenas uma generalização. Eu, por exemplo, colocaria a televisão nas últimas colocações e a leitura de livros figuraria nas primeiras.




E o que eu quero trazendo esse gráfico para vocês? Acredito que o público leitor desse site tenha o costume de exercer a atividade da leitura, mas vivemos num mundo apinhado de tantas coisas para nos entretermos que acabamos nos rendendo a elas. Não vivemos mais no início do século XX, um tempo sem videogames, internet, cinema (até existia, mas não como a indústria potente que é hoje), televisão e diversas outras coisas que tomam o nosso tempo. A leitura entra nessa briga acirrada e perde muitas, muitas batalhas. Afinal, para uma criança e um adolescente, desenhos, filmes e jogos soam ainda mais interessantes (apesar do boom da literatura infanto-juvenil — e pseudo infanto-juvenil — nos últimos anos). E mesmo para quem já é leitor assíduo, pode ser uma batalha bem disputada (entre o lançamento de um livro, um game, um anime, um seriado ou um filme, qual te deixa mais empolgado?).

Há também o enorme tempo gasto enquanto se navega na internet ou confere as atualizações do Facebook. Aliás, essa rede social é como aquelas pessoas que têm a tendência de não calar a boca e puxam um assunto no meio de um filme ou no meio da leitura de um livro, porque você sempre ouve aquele alerta sonoro aprazível e pausa tudo o que você está fazendo apenas para conferir se a notificação é uma curtida, um comentário no seu status ou uma mensagem que provavelmente te deixará empolgado para sustentá-la por meia hora. Mesmo sem o alerta, a pessoa ainda tem a sua sede em checar as notificações a cada 10 minutos. E esse último caso interrompe quase todas as atividades listadas na imagem acima.

Em vista de todos esses chamarizes, a conversão de um não-leitor para um leitor torna-se bem complicada, embora a tecnologia às vezes possa ser uma aliada na formação de leitores (vide os blogs literários que divulgam a literatura e as transposições de narrativas entre a literatura e outras mídias). Contudo, é bom relevar a ausência de incentivos culturais para a leitura, o que contribui para o desinteresse das pessoas que, por consequência, usam seu tempo livre em outras atividades. As vantagens geradas pela leitura são inúmeras: enriquecimento vocabular, ampliação de sua visão de mundo, conhecimentos sobre os mais variados assuntos, além de uma boa dose de emoção.

Mas, quanto ao leitor, este precisa resistir um pouco às distrações. Um livro exige um maior esforço intelectual para ser degustado, é um exercício salutar para sua mente. Portanto, é bom diminuir as demais atividades e aumentar (ou criar) um tempo de leitura. Não é difícil fazê-lo. Por exemplo, em tempos ociosos no transporte público, ao invés de escutar música, abra um livro. Idem para quaisquer tipos de filas. Talvez você apenas tenha tempo de ler poucas páginas ou até mesmo alguns parágrafos, mas pelo menos estará lendo. Outra sugestão é ler sempre antes de dormir (dá até pra sonhar com o universo do livro que está lendo, embora isso raramente aconteça comigo.) Detalhe: não pense que estou sugerindo que abandone, por exemplo, o videogame, o facebook ou qualquer outra atividade, apenas que saiba mensurar adequadamente o seu tempo de forma proveitosa. Caso contrário, não reclame que não tem tempo para ler todos os livros da sua estante. O importante é apenas não deixar a leitura como última opção.