Resenhas, artigos e contos

Resenhas, artigos e contos

Jornada de Junho/2013




 O problema de abraçar uma enormidade de ideias é a incapacidade de transformar todas elas em um projeto concreto. Algumas serão perdidas, outras, simplesmente guardadas para momentos mais apropriados, e raríssimas, talvez apenas uma, serão aproveitadas. Neste mês não tive exatamente um sobrecarga de ideias, mas um desejo de escolher uma delas para desenvolvê-la num único romance. Contudo, venho cozinhando o primeiro volume de uma série há anos, e apesar de todas as dificuldades ao escrevê-la, desejo muito ter esse livro terminado (e publicado).


Então fiquei na dúvida: escrever o início de uma série ou um romance único. Para ser escritor, não basta apenas sentar na cadeira e produzir uma boa história; às vezes é necessário ter um mínimo conhecimento sobre o mercado editorial para conseguir ser vendido e lido (pois publicar qualquer um pode fazer). E o que tenho observado na literatura de entretenimento é a massiva quantidade de séries de autores experientes ou iniciantes, estrangeiros ou brasileiros. Deixaremos de lado os estrangeiros e os experientes, e ficaremos com uma figura muito comum que é o autor brasileiro iniciante. Faz pouco tempo desde que o boom dos blogues literários e das redes sociais alavancaram o surgimento de alguns autores nacionais. Alguns são mais conhecidos, outros, nem tanto, mas cada um consegue o seu espaço para atingir seu público-alvo quando utiliza os meios que estão à disposição (redes sociais, blogues, eventos literários, encontros com leitores, etc). A questão já mencionada é que muitos desses autores iniciam a carreira com trilogias, quadrilogias ou mais. Fico me perguntando se eles conseguem vender mesmo o segundo livro. Se o primeiro for uma decepção para os leitores e para a editora, o próximo volume dificilmente será publicado. Mas se o autor começar por um romance com começo, meio e fim, mesmo que ele não se saia muito bem nesse, ele pode tentar fazer um trabalho melhor no seguinte. Enfim, ouço relatos de escritores sobre a dificuldade de começar a carreira com uma série, e eles mesmos não recomendam os iniciantes a trilharem esse caminho. É mais seguro consolidar seu nome com um romance único para depois embarcar nessa empreitada de histórias com vários volumes. 


Pensando nisso, passei o mês escrevendo o início de duas histórias que dariam um único livro. A primeira delas, infelizmente, tinha uma rede grande demais para capturar novas ideias e transformar o enredo de tal maneira que ficou insustentável elaborá-la em um só livro. Já segunda foi mais fácil de ser estruturada. Consegui fazer um roteiro dos acontecimentos do livro e me pus a escrever. Terminei o primeiro capítulo e mostrei para algumas pessoas, conseguindo um resultado satisfatório. No entanto, ao chegar no terceiro capítulo comecei a sentir algo estranho, um pressentimento de que deveria estar fazendo alguma coisa e não estava. Foi então que percebi que aquela não era a história que eu queria escrever no momento. Pode soar um pouco romântico, mas sentia meu coração pedindo a escrita de meu projeto inicial, enquanto a mente insistia no atual. Era uma questão simples: escrever aquilo que você quer escrever arriscando-se com uma série, ou escrever aquilo mais fácil de ser publicado, mas não quer escrevê-lo sem antes escrever o que quer. Eu optei pela primeira opção. Não foi uma decisão baseada apenas em sentimentalismo. Se eu escolhi voltar definitivamente para esse projeto foi porque venho trabalhando nele há anos, e o conheço muito melhor do que qualquer outro projeto de romance que tenha criado. 


Mas dessa vez preferi contar com a opinião dos leitores, o combustível necessário para que eu continue amadurecendo a escrita e mantenha um ritmo profissional até o final do romance. Por isso já criei uma página no facebook e um post aqui no blog para linkar todos os capítulos que futuramente serão lançados em periodicidade mensal. Pretendo divulgar apenas o primeiro arco da história e receber o máximo de comentários (elogios ou críticas) para testar a receptividade do romance. Então, todos estão convidados a curtirem a página de Nerikia, onde já disponibilizei o prólogo. 




Entrementes, continuarei publicando a série Doppelgänger aqui no blog. Na verdade, essa história não está tão longe de ser encerrada. A ideia inicial era fazer um enredo mais longo, tanto que até inseri o subtítulo de “Primeiro Dia” na capa da história, mas para que eu possa ter um tempo maior para me focar no Nerikia, estou eliminando todos os futuros personagens secundários e muitos detalhes que ainda poderiam ser desenvolvidos. Apesar de ter adiantado o término da história, estou me esforçando para fechar o arco do personagem e os mistérios ainda sem resolução. 


Por último, gostaria de avisar que estou participando de mais uma antologia, Vírus Z – Apocalipse Zumbi, da Editora Crescente, com o conto “Resquícios de Humanidade”. Preciso urgentemente atualizar minha página de publicações (risos). E a seção reservada ao “E” da imagem do blog também precisará de alterações futuramente. 




É isso. Foi um mês de escrita bem intenso. 


Até a próxima!