Resenhas, artigos e contos

Resenhas, artigos e contos

Jornada de Abril/2013

Como um dos meus objetivos com esse blog é a divulgação de meus trabalhos escritos, decidi, ao fim de cada mês, dar aos leitores um panorama geral de meus projetos criativos: minhas ideias, avanços e dificuldades enquanto percorro o árduo caminho da escrita literária.

No início de março comecei a publicar aqui no Gole Nerd uma história antiga que postava nos sites de fanfictions em meados de 2009, o Doppelgänger (antigamente intitulado Ventura). Apesar do Gole Nerd ter sido idealizado, humildemente, para ser um blog contendo artigos e resenhas sobre literatura, games e animes, havia ainda uma parte não explorada, que era minha escrita criativa. Logo, para equilibrar as postagens, decidi ressuscitar essa história e publicá-la na forma de uma série semanal. Contudo, preciso esclarecer alguns pontos sobre ela.

O Doppelgänger é uma história com o objetivo primário de manter aquecido a minha escrita criativa e inibir um forte desejo perfeccionista de reestruturação da narrativa, algo que ocorre frequentemente em outro livro que venho escrevendo há anos. Por essa razão, os capítulos publicados possuem boa probabilidade de conterem erros de escrita ou de estrutura (quem saberá disso serão os leitores), ou seja, eles não passam por aquela lapidação rígida de um escritor que tem extremo zelo com o seu trabalho. Eu simplesmente escrevo, realizo algumas revisões e publico. Como mencionei anteriormente, isso me ajuda a não mexer muito no texto, pois tenho a mania de catucar aqui e ali e nunca deixá-lo pronto (afinal, estou escrevendo um livro, se considerando todas as versões já feitas, há mais de 4 anos). Preciso dizer também que a narração em primeira pessoa no tempo presente e ainda feita por um adolescente de quinze anos, de certa forma, é muito complicada para adequação da linguagem ao narrador. Nesse caso, eu me despido um pouco de literariedade e procuro desenvolver a narração de maneira simples e mais próxima ao coloquial. Obviamente, daqui a algum tempo, irei dar um tratamento mais específico ao texto quando acabar a história. Por essa razão eu peço a opinião de leitores sobre a qualidade do texto nesse aspecto. 

Além de Doppelgänger, neste mês de abril, escrevi dois contos e os enviei para duas antologias: um com temática zumbi e o outro sobre demônios. Quem sabe mais para frente eu não posto uma notícia de que fui selecionado para uma delas, não?  (rsrs)

Tive também uma ótima ideia para um romance único, e até comentei no Facebook que manteria minha produção focada nele, já que a escrita do meu livro é, na verdade, o primeiro volume de uma série; e lançar uma série no Brasil para dar certo é uma coisa muito complicada. No entanto, dessa ideia, criei plots para dois romances separados, sutilmente interligados. A questão é que a temática do livro demanda tempo e inúmeras fontes de pesquisa, e decidi que se era para escrever o que tinha em mente, então que fosse bem feito. Em seguida, consegui desenvolver a história de um conto para um romance, mas tive um novo empecilho: uma bagagem literária insuficiente para contar a história do jeito que eu queria. No final de tudo, acabei voltando para a escrita do primeiro volume da série, que sofreu um pequeno acidente: perdi algumas páginas que considerava muito bem escritas, no pendrive que fui obrigado a formatar. Na verdade, eu consegui recuperar os arquivos antes da formatação, mas justo aquele que eu queria estava corrompido. Desgraças que acontecem na vida de um escritor! Enfim, voltei a escrever o livro. Mas não reescrevi essa parte porque ainda não consigo superar a perda. Preferi recomeçar da cena posterior àquela que fora escrita. 

Esse foi o primeiro e breve resumo mensal de um aspirante a escritor aqui no Gole Nerd (embora use o termo "escritor" de forma genérica ao longo do texto, ainda me considero um aspirante). No mês que vem tentarei trazer alguns dados mais concretos sobre meus avanços para dar mais credibilidade ao que ando aprontando no editor de texto, nos blocos de notas e caderno de faculdade que serve mais para rascunho que anotações de matéria. (rsrs)

Abraços literários.  

 tirinha de Estevão Ribeiro. Acesse www.ospassarinhos.com.br

5 comentários

Autor
avatar

Isso aí, Luiz! A jornada de escritor não é fácil, diga-lhe eu que tento há mais de anos e ...

Boa sorte!

Balas
Autor
avatar

Sim, é uma jornada bem árdua. Também estou nela desde o início da adolescência, mas não vamos desistir. ^^
Obrigado pela força!

Balas
Autor
avatar

Uma receita muito boa, Luiz, é usar a sua maior vontade para escrever uma história que está dentro de você. Isso me aconteceu, e só para se ter uma ideia, quando estava na metade do livro (durante 2009), mudei toda a sua estrutura fazendo-a ser mais série. Quer dizer, sofri! Mas isso me fez ter o prazer de construir uma coisa que faz um escritor sempre lhe empolgar: os seus personagens.Sem falar da trama também, claro.

Tente enviar depois de pronto para alguém que lhe passe dicas de como está a sua obra. Olha, vou passar um "ouro" para você neste instante, pois para mim foi bastante valioso.

Se a pretensão é de escrever fantasia, e se ela seria parecido com SdA (magia, ou pode ser a diversidade criada propriamente sua), então tente ser diferente. Esta foi a minha maneira de pensar. Tente inovar o velho e o novo. Sei que você sabe disso, mas as vezes é bom lembrar.

Se é romance, então o que você deve fazer é torná-la quase única, contudo, com "conteúdo", não algo "vazio" (trama entra também nesse meio, pois sem ela, é nada).

E não desista facilmente. Com afinco, você construirá até mesmo um Império, e deste reinado, arquitetará até mesmo o céu.

Céus, é raro de eu escrever tanto (rs).

Abraços.

Balas
Autor
avatar

Obrigado pelo "grande" comentário, em ambos os sentidos, Vincent.

Sobre escrever uma história que está dentro da gente é algo muito autêntico; é muito melhor quando nossa arte reflete nossa sinceridade interior. Se melhoramos em algum ponto aqui dentro, nosso texto também.

Meu livro é uma Fantasia, não parecida com SDA, mas que envolve magia em um mundo fictício. Tenho consciência da sua dica de inovação, pois é realmente necessário não ser um lugar comum no meio de tantos títulos" iguais". Ainda preciso fazer uma minuciosa pesquisa em literaturas estrangeiras para saber se minha história possui semelhanças com outras obras do gênero já lançadas.

Obrigado pelas dicas e pelo incentivo. Com certeza continuarei fortemente nessa jornada.

E desejo boas escritas a você!

Abraços.

Balas
Autor
avatar

É isso aí! Inove até mesmo nisso.

Obrigado Luiz, nos vemos por aí.

Abraços.

Balas